Ter as finanças organizadas é importante em qualquer momento, mas em época de crise econômica causada pela pandemia de coronavírus, isso é essencial. Não só para passar por esse período com mais tranquilidade mas também para se preparar para o futuro (e planejar grandes sonhos!). Afinal, se tem uma lição que a pandemia trouxe foi a de que problemas inesperados podem surgir a qualquer momento. Portanto, confira abaixo nossas dicas de como fazer isso.

Planilhas, planilhas, planilhas

Antes de pensar em guardar ou investir dinheiro, é preciso antes fazer o básico: você sabe exatamente qual a renda (sua ou da sua família)? Sabe quais são seus gastos fixos e os variáveis? Se não sabe, comece por aí. Há diversas formas de calcular seus gastos mensais – até a própria Serasa Experian tem uma tabela que pode ser bastante útil nessa tarefa. 

Dessa forma, você saberá exatamente para onde está indo seu dinheiro. Ao ver tudo listado e organizado, fica mais fácil entender quais gastos variáveis podem ser cortados, por exemplo, e qual porcentagem do total pode ser poupada. Há especialistas que indicam que esse montante deve girar em torno de 20% da renda total. Do restante, 70% devem ser destinados para despesas fixas e variáveis. Os últimos 10% podem ficar reservados a pequenos imprevistos do dia a dia. Se você conseguir poupar mais do que isso, melhor ainda. 

Reserva de emergência

Como indica o próprio nome, a reserva de emergência serve como um socorro caso algum imprevisto aconteça. Aqui entram eventos como uma demissão, um falecimento, um acidente ou emergência de saúde. O valor da reserva de emergência é variável – vai depender das suas despesas fixas. Em situações normais, a maioria dos profissionais recomenda que você tenha guardado o suficiente para cobrir seis meses das suas despesas fixas. 

Atualmente, porém, muitos já estão recomendando que essa reserva seja de 12 meses – especialmente para profissionais autônomos. Isso porque esses profissionais não contam com benefícios de empregados no regime CLT, como o FGTS, ou o aviso prévio. E foi justamente essa a categoria profissional mais atingida pela crise causada pelo coronavírus. 

Caso você esteja começando a poupar dinheiro agora, é justamente por aqui que você deve começar. É a reserva de emergência que vai te permitir quitar débitos com tranquilidade caso outra crise apareça. Depois que tiver poupado o suficiente para sua reserva, você pode se concentrar em suas grandes metas, como um imóvel próprio, um carro, uma viagem. 

Trace sua estratégia

Se você conseguiu organizar suas finanças e poupou sua reserva de emergência, é importante estudar que tipo de investimentos funcionariam melhor para você. Hoje, manter o dinheiro na poupança já não é a opção mais indicada pois a rentabilidade é baixíssima. Por outro lado, há uma série de investimentos que podem te ajudar a ampliar esse montante.

Para isso, é preciso abrir uma conta em uma corretora e procurar pelas melhores opções. Para sua reserva de emergência, por exemplo, é interessante optar por um investimento de baixo risco e liquidez diária. Assim você fica seguro – você não perde seu dinheiro e ainda consegue resgatar com facilidade caso precise. Já o restante do dinheiro pode ser dividido em outras opções de investimentos – um consultor na área pode te auxiliar melhor e te sugerir o que melhor pode funcionar para o seu perfil.

E se você quer saber mais sobre finanças pessoais, continue acompanhando o blog da Treèle. 

Quero saber mais sobre os empreendimentos da TREÈLE