Não é porque você é um trabalhador informal que o sonho da casa própria está distante. Leia o artigo e entenda como financiar um imóvel com renda informal.

Inicialmente, devemos compreender que a renda informal é gerada por profissionais autônomos e não possui registros de acordo com a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Em outras palavras, trata-se de uma renda gerada por trabalhos sem vínculo empregatício.

 

SER AUTÔNOMO IMPEDE A CONTRATAÇÃO DE UM FINANCIAMENTO?

A resposta é não! Engana-se quem pensa que ser um trabalhador informal é sinônimo de falta de acesso ao crédito. Na verdade, tanto trabalhadores CLT quanto os informais podem ter acesso a diversos tipos de crédito, inclusive o imobiliário.

Se você deseja financiar um imóvel com renda informal, saiba que é possível alcançar essa conquista. Mas você sabe como comprovar essa renda para o financiamento junto à Caixa Econômica Federal? Se a resposta for não, confira agora o que você deve fazer!

 

É POSSÍVEL USAR A RENDA INFORMAL PARA FINANCIAR UM IMÓVEL?

No caso do financiamento para uma casa ou apartamento, que é um bem de valor mais alto, é de extrema importância a comprovação que você tem uma renda consistente e que continuará tendo como pagar pelo crédito ao longo do tempo. Isso é uma exigência na hora de assinar o contrato com o banco, seja para financiamento SBPE ou através do Minha Casa Minha Vida.

 

QUAIS DOCUMENTOS SÃO OBRIGATÓRIOS?

– Documentos pessoais: RG e CPF
– Comprovante de endereço: conta de água, luz, internet ou telefone
– Comprovação de renda
– Comprovante de estado civil: certidão de nascimento ou casamento

 

COMO COMPROVAR RENDA INFORMAL?

Existem várias formas de comprovar sua renda, mesmo sendo um trabalhador informal. Uma boa alternativa é se regularizar como Microempreendedor Individual (MEI), se o seu faturamento anual for de até R$81 mil reais, aproximadamente, R$6.750,00 por mês.

Se o seu faturamento anual ultrapassar os R$81 mil reais, enquadra-se como Empresa de Pequeno Porte, podendo ser optante do Simples Nacional.

 

QUAIS DOCUMENTOS COMPROVAM A RENDA PARA UM BANCO?

 

DASN-SIMEI – Declaração Anual de Faturamento do Simples Nacional do Microempreendedor Individual

Essa é uma declaração para comprovar sua renda como MEI à Receita Federal, também, é válida como comprovante. Porém, verifique com o corretor de imóveis se é necessário apresentar em conjunto a Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física.

 

DIRPF – Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física.

Se você já faz a sua declaração anual, esse documento será o seu principal comprovante de renda, sendo essencial guardar a cópia do recibo. É importante lembrar que apenas esse tipo de comprovante é aceito pela Caixa Econômica Federal.

Assim sendo, é preciso ficar atento ao prazo de declaração do Imposto de Renda (IR). Ademais, embora comprovantes de movimentação bancária dos últimos 6 meses possam ser apresentados, eles não são aceitos como comprovante de renda informal.

Caso sua renda seja informal, será necessário apresentar uma renda formal, como o holerite dos últimos 3 meses. Os comprovantes de movimentação bancária podem ser usados como complemento de renda formal. Entretanto, é importante ressaltar que a documentação exigida pode variar de acordo com a instituição financeira escolhida para o financiamento.

Por fim, é crucial lembrar que, além de toda a documentação listada, é proibido ter dívidas atrasadas registradas no CPF do titular do financiamento. Por conseguinte, é fundamental manter as finanças em ordem a fim de garantir a aprovação do financiamento.

 

COMO FINANCIAR COM RENDA INFORMAL ATRAVÉS DO MINHA CASA MINHA VIDA?

O governo facilita a compra do primeiro imóvel em casos de renda informal através de programas que oferecem vantagens como juros mais baixos e prazos mais extensos para pagamento. Portanto, vale a pena considerar as novas facilidades do Minha Casa Minha Vida.

Ao entrar em contato com a construtora, um corretor fará o atendimento e uma das etapas é a simulação de crédito, ela é necessária para entender os valores e prazos liberados de acordo com o perfil financeiro de cada cliente.

 

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO NOVO MINHA CASA MINHA VIDA

O programa é destinado a moradores em áreas urbanas com renda bruta familiar mensal de até R$ 8 mil. Esse valor não leva em conta benefícios temporários, assistenciais ou previdenciários, como auxílio-doença, auxílio-acidente, seguro-desemprego, Benefício de Prestação Continuada (BPC), Bolsa Família.

 

A divisão de acordo com faixas de renda é assim:

a) Faixa Urbano 1 – renda bruta familiar mensal até R$ 2.640,
b) Faixa Urbano 2 – renda bruta familiar mensal de R$ 2.640,01 a R$ 4.400 e
c) Faixa Urbano 3 – renda bruta familiar mensal de R$ 4.400,01 a R$ 8.000.

 

COMO FINANCIAR COM RENDA INFORMAL ATRAVÉS DA TREÈLE?

Bom, já deu para você entender a documentação que precisa ter em mãos. A partir de agora, nossos corretores poderão apresentar todas as unidades disponíveis em nossos empreendimentos, escolher a que mais se adequa às suas necessidades e a partir desse ponto, iniciaremos a simulação e todo o desenho do seu financiamento junto ao banco.

 

SOBRE A TREÈLE

Desde seu nascimento em 2014, a Treèle já lançou mais de 470 unidades residenciais, atuando com Excelência e Ética no mercado de Construção e Incorporação Imobiliária. Somos uma empresa parceira da Caixa Econômica Federal (CEF).

Uma equipe da CEF, com sede em Brasília avalia uma série de requisitos que a Construtora precisa cumprir para receber esse apoio. As avaliações passam por diversos níveis técnicos, jurídicos, cadastrais e de viabilidade econômica. Todo esse processo leva, pelo menos, 6 meses para conclusão, se aprovado.

É um processo complexo, mas dessa forma, todas as partes envolvidas com a Construtora podem ter maior segurança. A Construtora deve cumprir um dos requisitos mais importantes que é entregar um produto exatamente como acordado durante o período de lançamento, no memorial descritivo aprovado pela CEF.